sábado, 22 de abril de 2017

Um Violino na Noite

Livro pequeno e de leitura rápida.
Isabel tem dificuldades sejam financeiras sejam emocionais trazidas com a morte do marido e igualmente com a sua incapacidade de lidar com o que a rodeia. Tem aptidões musicais mas como qualquer dotado falha na praticidade do dia-a-dia, nas coisas mais básicas que deixava nas mãos do marido e agora sem ele paraliza-se de tal maneira, e é aqui que a encontramos no livro. Os problemas agravam-se devido a não entrar no rol de tarefas a fazer quando se tem dois filhos, Kitty, a sua filha mais velha, tenta assumir de alguma forma mas só tem quinze anos.
De forma a resolver as dívidas eminentes vende a casa, mais tarde o violino e ainda as jóias, e muda-se para a herança, uma casa com lago, terrenos, e terreno de cultivo, para tentar pelos filhos adaptar-se à vida numa aldeia. Tem que aprender a governar-se com pouco dinheiro visto que as obras na casa herdada são astronômicas, neste caso as experiências são a melhor forma para o fazer mas a mais violenta para o individuo. Aprende sobre as pessoas nem todas querem o nosso bem querem é o bem mas existem sempre almas caridosas que a tentam ajudar no meio de toda esta embrulhada. Isabel cresce à medida que se desprende da música e se foca nos filhos, Kitty começa a gozar da idade que tem, sem responsabilidades, com amigos e a gostar do local onde estão, Thierry, que não fala desde a morte do pai, começa com a tutelagem de Byron, e o cachorrinho, a desabrochar até se descobrir o segredo que o mantinha mudo.
A herança, a Casa Espanhola, ronda todas as personagens de algum forma, uns porque a cobiçam dos outros, outros pelo lucro, outros ainda pelo estatuto que trará. O construtor Matt é uma dessas personagens que tenta a todo o custo defraudar Isabel, seja por ações nas obras da casa, seja por insinuações sobre outras pessoas, ou ainda por atirar-se a Isabel.
Gostei, admito que no inicio a personagem Isabel causava-me calafrios devido a falta completa de bom senso e senso comum.
Sinopse:
Isabel Delancey, uma mulher frágil e ainda jovem, alheada das vicissitudes do dia-a-dia, vivia para a música - era violinista numa orquestra sinfónica.O que a prendia à realidade era o amor que sentia por Laurent, o seu marido. Quando este morre num brutal acidente, Isabel vê-se obrigada a confrontar-se com a terrível situação financeira em que o marido deixou a família e a assumir o papel de mãe que sempre tinha sido desempenhado por uma ama.A Casa Espanhola, uma propriedade que herda inesperadamente, sendo uma fonte inesgotável de problemas, vai ser ao mesmo tempo um desafio à sua coragem e determinação, transformando Isabel numa mulher madura.Ali, vai encontrar uma solidariedade inesperada, um rancor visceral e o amor.
Boas leituras

sexta-feira, 14 de abril de 2017

The book thief

Livro engraçado pela forma como é contada a história, o seu tempo histórico é passado maioritariamente durante a Segunda Grande Guerra e nos mostra o lado alemão no seu dia-a-dia com as suas pessoas, desejos e receios. Relata a falta de trabalho para alguns alemães, a fome existente, os raides aéreos, o trabalho das classes mais baixas, a separação das pessoas (comunistas, judeus... e esqueceram-se dos não-apoiantes à causa Hitler).
O narrador em toda o livro é caricato, é a morte a falar. A morte fala connosco como se fossemos amigos e todos amigos, um tipo porreio e cheio de humor, que conta um pouco de si ao mesmo tempo que conta a história da menina que roubava livros, do que a morte gosta: cores, do que gostaria de se queixar: o seu trabalho, muito dele nesta altura de guerra. Por outro lado conta os mortos, passagens e vislumbres da vida dessa pessoa que entrou em contacto com Liesel, a menina dos livros alheios, e como eles vão morrer para os leitores antes mesmo de acontecer já revela o fim, de forma espaçada, o que deixa pouco para desvendar quando chega o momento (e pode tornar-se muito chato).
O tom do livro é leve tenta mostrar que mesmo dentro da Alemanha da II Guerra vozes discordantes existiriam mas o assunto é melindroso.
Sinopse:
It is 1939. Nazi Germany. The country is holding its breath. Death has never been busier, and will become busier still.
Liesel Meminger is a foster girl living outside of Munich, who scratches out a meager existence for herself by stealing when she encounters something she can’t resist–books. With the help of her accordion-playing foster father, she learns to read and shares her stolen books with her neighbors during bombing raids as well as with the Jewish man hidden in her basement.
In superbly crafted writing that burns with intensity, award-winning author Markus Zusak, author of I Am the Messenger, has given us one of the most enduring stories of our time.
Boas leituras

Cartão em aguarela

pequeno ouriço, pintado com aguarelas, para futuramente colocar num cartão :)

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Galaxy

Olá pessoal
De férias de momento o que me dá mais tempo para aventuras. Inspirada por este video da Marta tentei o meu melhor com as aguarelass do Lidl para criar a minha galáxia.
Admito que ia utilizando quase todo o azul para o fazer  e não ficou bem como eu queria.  Ainda fiz alguns ensaios com dois tipos de papel diferente (um deles o que iria realmente utilizar para este projeto) para ver como as cores se comportariam.


Irei tentar outra vez.

sábado, 1 de abril de 2017

The Viking, de Marti Talbot

Livro muito agradável sobre um menino viking e a sua primeira viagem de barco com o pai. Com aventuras em vários pontos da Escócia, acompanhamos o seu crescimento ao longo do livro até atingir a maioridade passando por várias situações dificeis no decorrer da história que irão construir o seu pensamento. Relata a inter-ajuda e igualdade entre elementos de uma comunidade em que ele se instala e mais tarde essa caratceristica irá para a criação do seu próprio clã.
Este livro é grátis no Kobo, aproveitem.
Recomendo
Sinopse:
At not quite fifteen, Stefan’s father finally let him board the longship Sja Vinna to take part in his first Viking raid. Yet, the battle was not at all what he expected and he soon found himself alone and stranded in Scotland. Thirteen-year-old Kannak’s problem was just as grave. Her father deserted them and the only way to survive, she decided, was to take a husband over her mother‘s objections. Suddenly she was helping a hated Viking escape. Could Kannak successfully hide a Viking in the middle of a Scottish Clan? And why was someone plotting to kill the clan's beloved laird? 
Boas leituras

quarta-feira, 29 de março de 2017

O casamento do ano, de Laura Lee Guhrke

Livro agradável.
Peripécias de um casal, que não se diz como casal, que gostam de discutir e não se decidem quanto ao que querem da vida, principalmente no caso dela Beatrix Danbury. Segue o sonho de infância, onde casamento e filhos são o passo seguinte, mas em que a vida não o traz de maneira fácil. Após dois noivados rompidos Beatrix decide tomar a vida como sua e fazer dela aquilo que deseja.
Sinopse:
Beatrix Danbury sempre teve a certeza de que iria casar com William Mallory. Amava-o desde sempre e nunca duvidou que ele a amasse também. Mas quando Beatrix o obriga a ter de escolher entre uma vida a dois ou o seu sonho de sempre, ele decide-se pela última hipótese... a duas semanas do casamento. O regresso do Duque... William estava certo de que Beatrix o receberia de braços abertos. Os seis anos que haviam passado desde que a deixara, não tinham feito desaparecer o seu amor por ela. O problema é que Beatrix estava prestes a casar-se com outro homem. Alguém previsível e em quem sentia que podia confiar... alguém que era o oposto do seu antigo noivo. Conseguirá William impedir o casamento do ano e ter Beatrix de volta, ou será tarde demais? 
Boas leituras