domingo, 27 de julho de 2014

Cactos e suculentas

Finalmente mudei as minhas mais recentes aquisições, os três cactos. Dos vasos originais  passaram para umas chávenas que tinha ali vazias. Estavam a ficar com pouco espaço neles para crescer, tanto que dentro do vaso só havia raizes e pouca terra.
Aqui fica fotos de todos incluindo as mudas.  
 
 Bem, e agora vou varrer o pátio. Tanta ventania tanto lixo.

sábado, 26 de julho de 2014

TPC da semana - 2ª semana

 Bem, devo dizer que fiz mais um granny square, cor verde, mas ao chegar ao fim do novelo dou conta que não chega para dar 14 voltas, como a que fiz em castanho. É daquelas alturas que me apetece wtf. Toca de desmanchar, e mais um novelo para "os coitados". 
Os "coitados" levarão as sobras de linha, que não chegam para fazer um quadrado completo, com 14 voltas.  Então vou jogar um pouco com as cores e ver o que vai sair daqui?
Iniciei mais um verde, neste caso verde seco, pode ser que tenha sorte.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Granny Squares - em rosa claro


 
O meu primeiro granny square que ainda não tinha aqui mostrado. Para praticar. Foi feito com linha n.º 8, de marca espanhola Hilo Egipcio, fio de algodão, na cor rosa.  Nota-se ali um veio que é onde foi feito a ligação de ambas as partes, por cima do X.

domingo, 20 de julho de 2014

TPC do fim de semana - continuação

Sobraram linhas mas são pedaços que não dão para completar uma fila a toda a volta. Toca de inventar. Então, comecei um outro com os restos que ali tinha, primeiro o que sobrou da linha castanha. Vamos ver como fica. 

Cruzes, tantas pontas que vou ter de rematar... mas o efeito das várias cores lindissimo.

sábado, 19 de julho de 2014

TPC do fim de semana

 Tenho andado numa de fazer crochet, o calor faz com que comece a transpirar das mãos, o que não gosto muito pois passa para o tecido, mesmo que depois lave o quadrilé/tecido. E com o crochet não se nota, somente uma linha e é daquelas coisas práticas de se fazer até no comboio. Um só fio, uma só cor, e pode estar dentro de um pequeno saco na mala, não carecendo muito no peso.
Ohando para os tais novelos, da altura em que os comprava na loja dos 300 (xiiiii faz uns bons anos), deu-me de utilizá-los. Tenho várias cores mas predominará neste trabalho os rosas, verdes e castanhos. Primeiro, fiz este em castanho, cor lisa e quase que acabei com o novelo, o restante não chegava para acabar uma volta.  
Marca Faraon , linha muito fina, n.º 12, que tem somente 5 grs no novelo, e estou a utilizar uma agulha de crochet 0,75. Para verem a pequenez, deu para fazer 14 voltas e tem mais ou menos 12 cms, de ponta a ponta. Foto abaixo.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Novas cores

Não são lindas?
Na foto de cima são dois novelos, um de algodão outro de acrílico. 
Em baixo novelo de algodão com vários tons.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

As Serviçais

 Gosto da forma como escolherão para contar esta história, apesar de em certas alturas se tornar confuso em saber quem é o narrador, em alguns capitulos em particular. À medida que vamos conhecendo as personagens, e suas pecularidades de personalidade, torna-se muito mais fácil. Vários relatos de empregadas domésticas, na década de 60, no estado do Mississipi, que se unem e tentam à sua forma alargar horizontes. Foca-se em dois conjuntos de histórias, dois pontos de vista do lado branco (Skeeter e Hilly) e mais dois do lado de cor (Aibileen e Minny).
 Depois refere-se na história as diferenças entre uns e outros, não só aquelas referidas pelo preconceitomas igualmente as das sua linguagem. O que me incomoda é o facto de existir referências linguística a um sotaque, não fazem sentido, assemelham-se mais a um discurso oral moderno do que outra coisa. E mesmo quando a patroa de Minny chega, a diferença do seu falar, como alguém que veio do campo, mas em todo o livro não existe, nem no discurso oral, registo dessas diferenças de "sotaque". Acho que embelezaria mais a história dando também credibildiade e em nada interfere com a leitura. 
 Mas esta é uma obra de ficção e não um relato histórico.
Sinopse:
Skeeter tem vinte e dois anos e acabou de regressar da universidade a Jackson, Mississippi. Mas estamos em 1962, e a sua mãe só irá descansar quando a filha tiver uma aliança no dedo. Aibileen é uma criada negra, uma mulher sábia que viu crescer dezassete crianças. Quando o seu próprio filho morre num acidente, algo se quebra dentro dela. Minny, a melhor amiga de Aibileen, é provavelmente a mulher com a língua mais afiada do Mississippi. Cozinha divinamente, mas tem sérias dificuldades em manter o emprego... até ao momento em que encontra uma senhora nova na cidade. Estas três personagens extraordinárias irão cruzar-se e iniciar um projecto que mudará a sua cidade e as vidas de todas as mulheres, criadas e senhoras, que habitam Jackson. São as suas vozes que nos contam esta história inesquecível cheia de humor, esperança e tristeza. Uma história que conquistou a América e está a conquistar o mundo.
Boas leituras

segunda-feira, 7 de julho de 2014

As Noites das Mil e Uma Noites, de Naguib Mahfouz

 Algum tempo que gostava de ler algum autor árabe e a oportinudade surgiu com este livro, trocado através do Winkingbooks. 
 Relata, supostamente, o que aconteceu após o final feliz, o sultão embevecido com as histórias de Xerazade casa-se com ela e arrepende-se da sua conduta violenta. Como não li o livro anterior (está na lista de leitura) não poderei precisar mas ao longo do livro pequenos indicios se encontram em que talvez não tenha sido bem assim como diziam.
 História enriquecida não só com contrastes modernos mas também da antiguidade. Aqui encontramos o génio, na maioria das vezes conduz partidas, cria desacatos, peturba a paz, conseguindo influenciar os bons cidadãos da sociedade, e infelizmente, estragar lhes a vida. Faz lembrar-me um pouco os autos de Gil Vicente, principalmente no seu conteúdo moralista, enquanto que nestes últimos o mal tinha ordem religiosa, aqui relata-se esses actos através de um ser de fantasia que os tenta noutros caminhos. Ambos são uma questão de fé. Luta entre o bem e o mal, entre a luz e a escuridão, sempre presentes no quotidiano dos seres humanos.
Sinopse:
Este romance começa precisamente onde acabam "As Mil e Uma Noites".
O sultão, depois de ter ouvido, durante quase três anos, as histórias de Xerazade, decide casar-se com ela. Todos crêem que, graças à sua habilidade como contadora de histórias, Xerazade salvou a vida e semeou o amor e a piedade no coração do sultão, pelo que, daí por diante, a paz e a harmonia reinarão no país.
Contudo, a mudança foi apenas superficial e o sultão, afinal, continuou a desconhecer a compaixão, o amor e a justiça, mantendo-se um homem poderoso, mas sem consciência. Como elevar a sua alma e ressuscitar-lhe a consciência? Só através de uma série de acontecimentos dilacerantes que lhe ensinarão o verdadeiro sentido do poder... Em As Noites das Mil e Uma Noites, toda a narração é uma alegoria rica de magia, de pormenores, do fantástico mundo árabe antigo e contemporâneo, com todos os seus conflitos políticos e religiosos.
Nas próprias palavras do grande autor egípcio, As Noites das Mil e Uma Noites "é do mais importante que escrevi em toda a minha vida; nele se misturam a tradição com a modernidade, a realidade com a lenda".
Boas leituras

quinta-feira, 3 de julho de 2014

FIA 2014

 Olá meninas
 Tenho andado desaparecida destas lides mas não quieta.
 Pensei que num dia da semana encontraria menos gente mas este ano trocaram-me as voltas. Imensa gente que teve a mesma ideia que eu nesta quinta-feira, e workshops lotados. O que é bom sinal, gente para comprar ou ver, mas fiquei um pouco chateada, lembrei-me mas não cheguei a fazer marcação para o que queria. Bem feita. Mas na bancada da DMC/Editorial Nascimento avisaram que no blogue será colocado um passo a passo para aquilo que eu queria aprender, na arte do crochet, a mala. É só ficar atenta.
Mesmo assim não deixei de desfrutar da feira, este ano o ênfase parecia estar em tudo relacionado com tecidos. Diferentes padrões e diversificados objectos utilizando os mais bonitos tecidos. A minha sobrinha se tivesse ido devia namorar algumas das bolsas com corujas que lá havia, cada uma mais bonita que a próxima. As Associações de Artesãos também apareceram em força este ano, provavelmente uma forma mais equilibrada para os artesãos, de partilhar espaço e custos inerentes à feira.


Algumas fotos do que procurava e encontrei na feira. Material para scrapbooking, que nem sempre é fácil de encontrar, quanto mais a preços convidativos. Uma fita vermelha, cola em dupla-face, que dá até para prender fita de tecido nos albuns. Um corrector de cola, dupla-face também, que infelizmente só existia este. E por último, alfinetes flor, rasos pois não fazem volume aquando de costurar as partes envolvidas.

Um Longo Domingo de Noivado, de Sébastien Japrisot

 Esperança é disso que este livro trata, apesar de amarga a cada instante, e triste. Procura incessante pelo que aconteceu ao seu noivo, num certo dia, na zona de trincheiras, durante a primeira guerra mundial.  Quer saber o que lhe aconteceu, independentemente do que foi, bom ou mau. Se é que existe algo de bom durante a guerra.
Relatos dispersos de vários intervenientes, ao longo de vários anos, bem como de pequenas pistas que vai recolhendo e dizem entre-linhas outras coisas do que lhe foi relatado. Tudo o que sabe, transcreve vai compondo na caixinha, conversas, cartas recebidas, relatos de reuniões. A sua consciência aponta para uma outra possibilidade mas será verdade?
Admito que no principio entrosarmo-nos na história/leitura é dificil, nomes diferentes para a mesma pessoa, alcunhas a mistura, relatos no passado e no presente,  baralham o leitor e tornam-no por momentos no Sherlock Holmes moderno ao tentar decifar.  Provavelmente não agradará a todos pela mistura de suspense com romance com mistério.
Adorei, adorei.
Tenho que ver se encontro o filme.
Sinopse:
Audrey é Mathilde, uma jovem que no final da Primeira Guerra Mundial, recusa aceitar que o seu noivo morreu. Mathilde é informada que Manech morreu no campo de batalha, mas acaba por descobrir que ele fazia parte de um grupo de cinco soldados que foram condenados à morte, por um tribunal marcial, por se terem auto-mutilado para fingir ferimentos de forma a escaparem à guerra. Mas Mathilde não acredita que Manech esteja morto; se assim fosse, ela sentiria essa perda. Resolve então partir numa busca desesperada para descobrir o que realmente aconteceu a Manech.
Boas leituras

terça-feira, 1 de julho de 2014

Finalmente...

... consegui encontrá-los. Cada vez que ia à Fnac, cuscava a seção de livros estrangeiros, para ver se já tinham chegado. Demoraram a aparecer. Procurava pelas recentes obras de J. R. Ward e de Sherrilyn Kenyon. Fica a sinopse e foto de cada livro.

. The King,

Long live the King...After turning his back on the throne for centuries, Wrath, son of Wrath, finally assumed his father's mantle- with the help of his beloved mate. But the crown sits heavily on his head.

As the war with the Lessening Society rages on, and the threat from the Band of Bastards truly hits home, he is forced to make choices that put everything - and everyone- at risk.

Beth Randall thought she knew what she was getting into when she mated the last pure blooded vampire on the planet: An easy ride was not it.

But when she decides she wants a child, she's unprepared for Wrath's response - or the distance it creates between them. The question is, will true love win out...or tortured legacy take over?
. Styxx

  
As the twin to Acheron, Styxx hasn’t always been on his brother’s side. They’ve spent more centuries going at each other’s throats than protecting their backs. Now Styxx has a chance to prove his loyalty to his brother—but only if he’s willing to trade his life and future for Acheron’s.
There are two sides to every story.  And you don’t know Styxx …
The Atlantean goddess of Wrath and Misery, Bethany was born to right wrongs. She owes Acheron a debt that she vows to repay, no matter what it takes. He will join their fellow gods in hell and nothing is going to stop her. But things are never what they seem, and Acheron is no longer the last of his line…Meanwhile, Styxx is faced with a desperate decision: To save the world, he can either join forces with the brother who betrayed him or battle the only woman who has held his heart. Which will he choose? The real fight for survival is about to begin…
E agora vamos colocar as leituras em dia :)