sábado, 28 de dezembro de 2013

Highlander, para além das brumas

Gostei. Digamos que o livro é agradável mas não o considero por aí além quando comparados com outros da mesma autora. Os meus parabéns por uma tradução bem feita para português, em que até embeleza a história.
Contra-capa:
Um Laird fascinante Ele era conhecido por todo o reino como Açor, lendário predador de campos de batalha e alcovas. Não havia mulher capaz de recusar o seu toque, mas mulher alguma lhe fizera jamais estremecer o coração — até uma vingativa fada trazer Adrienne de Simone, aos trambolhões, da Seattle dos tempos atuais para a Escócia medieval. Cativa num século que não era o seu, ousada até mais não, sem papas na língua, ela era um desafio irresistível para o conquistador do século XVI. Coagida a casar-se com Açor, Adrienne jurou mantê-lo à distância — mas a sua doce sedução devastou tal resolução. 
Uma prisioneira no tempo Ela tinha um perfeito "não" nos seus perfeitos lábios para o famigerado laird, mas Açor jurou que ela haveria de sussurrar o seu nome com desejo, implorando a paixão que ele ansiava por inflamar dentro dela. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o deteriam na conquista do seu amor. Apesar da sua incerteza quanto a seguir os impulsos do seu coração apaixonado, as reservas de Adrienne não igualavam a determinação de Açor em mantê-la ao seu lado…
E lá vai o livro para o correio na segunda (Winkingbooks).
Boas leituras

Sem comentários:

Enviar um comentário